Business,Colleagues,Say,Goodbye,To,The,Dismissed,Employee

Demissão humanizada: o que é e como realizar?

Por: José Roberto Marques | Blog

Promover o desligamento de um profissional de uma empresa é sempre um momento delicado, tanto para quem demite quanto para quem é demitido. É fato que isso pode ocorrer pelos mais diversos motivos, seja por erros do profissional ou simplesmente porque a empresa tem enfrentado uma crise financeira que exige a redução do seu quadro profissional.

Seja por um ou por outro motivo, o processo de demissão quase sempre provoca impactos emocionais negativos. O indivíduo pode sentir-se humilhado, rejeitado e até mesmo sentir a sua autoestima balançar. Mas será que é possível conduzir esse processo de forma menos traumatizante? A resposta é sim, por meio da chamada demissão humanizada.

Se você deseja aprender a conduzir os processos de desligamento de forma mais humana e menos dolorosa, continue a leitura deste artigo para compreender o conceito de demissão humanizada e conferir algumas dicas de como aplicá-la.

Quer saber como motivar e potencializar os resultados de sua equipe?
Clique aqui e baixe agora meu ebook “Leader Coach”! É um presente!

O que é e qual a importância da demissão humanizada?

A demissão humanizada é o processo de desligamento do profissional de uma empresa de forma que ele sofra o mínimo possível. Esse processo tem como princípio básico a empatia, ou seja, a capacidade de colocar-se no lugar do outro.

A demissão humanizada, além de ser um procedimento burocrático para dar baixa em toda a documentação do profissional, é também humana, pois envolve uma conversa sincera e responsável, comunicando a decisão de forma clara e empática.

Quando alguém é desligado de uma empresa, o indivíduo não perde apenas um emprego, mas também um status social, uma fonte de renda e um grupo de colegas. O desligamento, portanto, é uma perda multifatorial que precisa ser conduzida com respeito e cuidado por aquele ser humano, que vai ter muitas preocupações psicológicas e financeiras a partir de agora.

Um desligamento profissional realizado de forma humana ameniza os impactos emocionais do indivíduo que recebe a notícia, daquele que dá a notícia e dos colegas que permanecem na empresa. Assim, esse processo constrói um clima organizacional mais tranquilo, aumentando também a confiança dos outros funcionários em seus líderes.

Como realizar uma demissão humanizada?

Se você precisa desligar alguém do quadro de funcionários de uma empresa, certamente sabe que é uma situação desagradável. Para que essa atitude seja realizada com o menor impacto emocional possível, confira o passo a passo a seguir.

1. Faça um encontro presencial

Não existe demissão por e-mail ou por mensagem de texto. Algumas empresas fazem isso, mas é uma prática cruel e desumana. Assim, convoque uma reunião com o colaborador, com o chefe dele e com algum profissional da área de recursos humanos. Uma demissão humanizada precisa ser um encontro presencial, com uma conversa franca com olhos nos olhos. Agende uma hora específica (geralmente demissões ocorrem no início do dia) num lugar tranquilo e reservado.

Já deixe acessíveis os documentos do colaborador necessários ao seu desligamento, bem como os valores rescisórios que deverão ser pagos a ele. Isso ameniza a ansiedade do indivíduo, pois o auxilia na reorganização da sua vida pessoal e profissional.

2. Anuncie o desligamento com calma

O momento do desligamento é desagradável, mas deve ser conduzido de forma clara e objetiva, sem rodeios. Com calma e serenidade na voz, olhando nos olhos da pessoa, comunique-a de que ela será desligada do quadro da empresa. O ideal é que o gestor do profissional seja a pessoa a dar a notícia. Jamais terceirize essa tarefa.

Você é feliz?

Com argumentos honestos e tom sereno, explique o motivo do desligamento. Procure tranquilizar o indivíduo, dirigindo-se a ele com respeito. Mesmo que ele tenha cometido erros, não seja agressivo neste momento, pois ele já é doloroso por natureza.

3. Permita que o indivíduo tire as suas dúvidas

Utilizando-se da empatia, coloque-se no lugar da pessoa que está sendo demitida e tente imaginar todas as dúvidas que estão passando por sua cabeça. Certamente, ela tem questionamentos sobre os motivos do desligamento e sobre os processos burocráticos que deverão ocorrer a partir de agora.

Após comunicar a decisão, portanto, permita que a pessoa se expresse e tire todas as suas dúvidas. Comunique ao funcionário quais são os seus direitos neste momento (verbas de rescisão, FGTS, seguro-desemprego etc.) para que ele fique mais tranquilo acerca das possibilidades de superar esse momento adverso.

4. Redija uma carta de demissão

A carta de demissão é um documento que torna oficial o processo de desligamento do profissional. Ela explica de forma clara e detalhada quais foram os motivos da rescisão e quais são os direitos do trabalhador neste momento — incluindo pontos que podem ter sido esquecidos durante a conversa, por conta do calor do momento.

É importante concluir a carta manifestando gratidão pelo período em que o funcionário prestou os seus serviços e colocando-se à disposição para auxílio e maiores esclarecimentos. O documento ajuda o funcionário a ficar mais tranquilo de que tudo o que ocorrer a partir de agora seguirá fielmente os seus direitos.

5. Reconheça os méritos do profissional

Como citamos anteriormente, o momento da demissão pode abalar a autoestima do profissional, levando-o a questionar as suas competências profissionais. No entanto, não é porque ele não será mais um colaborador daquela empresa que não há outras nas quais os seus serviços possam ser úteis.

Por isso, a fim de levantar o ânimo do indivíduo para recomeçar, é importante que o gestor ressalte as competências do indivíduo. Seja grato e exalte os seus pontos positivos. Isso permitirá que ele tenha forças para seguir em frente, superando esse momento difícil.

6. Ofereça um benefício adicional

Pagar as verbas rescisórias do profissional não é mais do que cumprir a lei, atendendo aos direitos trabalhistas. Contudo, uma demissão humanizada também pode incluir o oferecimento de benefícios adicionais, que ajudem o ex-funcionário a lidar melhor com esse momento até que obtenha uma recolocação profissional.

Algumas empresas oferecem plano de saúde ou seguro de vida estendidos por mais alguns meses, ou mesmo oferecem uma bonificação financeira pelos serviços prestados. Essas medidas mostram que a organização se preocupa com o futuro da pessoa e a ajudam a lidar com as perdas financeiras do momento.

7. Escreva uma carta de recomendação

Se o motivo da demissão não tiver sido grave, o gestor pode até mesmo redigir uma carta de recomendação para o ex-funcionário. Uma carta de recomendação é um documento em que um ex-chefe recomenda aquele indivíduo ao mercado de trabalho, enaltecendo as suas competências e reconhecendo os seus méritos em bons resultados que tenham sido alcançados.

Essa é mais uma medida que permite que a pessoa tenha mais tranquilidade e confiança para dar continuidade à sua carreira e encontrar uma nova oportunidade profissional.

Como é possível perceber, todo processo de demissão é delicado e desagradável. No entanto, há algumas atitudes, como as citadas neste artigo, que permitem que as dores dessa situação sejam amenizadas. Dessa forma, o profissional não se sente desrespeitado e segue a sua carreira com autoconfiança. Siga as dicas acima e, quando for preciso, promova desligamentos profissionais de forma humanizada.

E você, já passou por um desligamento profissional? O que acha da demissão humanizada? Deixe o seu comentário no espaço abaixo, com a sua opinião. Por fim, não se esqueça de compartilhar este artigo em suas redes sociais, levando estas dicas aos seus amigos, colegas e a quem mais possa fazer um bom uso delas!

Imagem: Por ASDF_MEDIA

José Roberto Marques

Sobre o autor: José Roberto Marques é referência em Desenvolvimento Humano. Dedicou mais de 30 anos a fim de um propósito, o de fazer com que o ser humano seja capaz de atingir o seu Potencial Infinito! Para isso ele fundou o IBC, Instituto que é reconhecido internacionalmente. Professor convidado pela Universidade de Ohio e Palestrante da Brazil Conference, na Universidade de Harvard, JRM é responsável pela formação de mais de 50 mil Coaches através do PSC - Professional And Self Coaching, cujo os métodos são comprovados cientificamente através de estudo publicado pela UERJ . Além disso, é autor de mais de 50 livros publicados.



*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário: