Business,Team,Members,With,Young,Woman,Leader,Over,Night,Cityscape

5 dicas para melhorar a sua liderança e conquistar mais resultados

Por: José Roberto Marques | Blog

O trabalho dos líderes é muito importante em qualquer organização. Essas pessoas são responsáveis por montar equipes vencedoras e também por manter alta a motivação de todos os que fazem parte delas. É claro que, para ser um líder, é preciso ter muito conhecimento na área de atuação, o que geralmente se faz com cursos e com o próprio acúmulo de experiências. Contudo, há outras características, um pouco menos específicas, que também são fundamentais para uma liderança competente.

Se você deseja melhorar as suas capacidades de liderança ou se deseja tornar-se um líder de sucesso futuramente, confira as 5 dicas a seguir. Boa leitura!

Conheça a metodologia capaz de potencializar seus resultados!
Clique aqui e acesse meu ebook “Leader Coach”, é um presente!

1. Seja um exemplo

A primeira consciência que todo líder deve adquirir é a de que ele deve ser um exemplo para tudo aquilo que ele espera dos seus liderados. Por isso, o líder deve vestir-se de modo compatível com o ambiente de trabalho, ser pontual em seus horários (de entrada, de saída e de intervalos) e dedicar-se com empenho ao trabalho.

Além disso, o indivíduo em posição de liderança deve ter uma postura ética e transparente, passando longe de fofocas, de brigas e de intrigas em geral. Ele deve comunicar-se com clareza e transparência, administrando as suas emoções. Cabe também ao líder demonstrar ânimo e motivação com as suas atividades diárias, afinal de contas, como ele vai poder cobrar isso dos seus funcionários se ele mesmo não estiver animado?

Resumidamente, o líder precisa ser aquilo que ele deseja que os outros também sejam. Alguém organizado, disciplinado e que se relaciona bem com todos ao seu redor será, naturalmente, um líder competente.

2. Comunique-se com clareza e transparência

As funções de um líder passam todas por um aspecto fundamental: a comunicação. O líder não precisa gritar ou ser agressivo, mas apenas mostrar à equipe que quem está no comando é ele. Para isso, é essencial conduzir reuniões, ou mesmo elaborar comunicados escritos, para deixar claros os assuntos do momento.

Seja para distribuir tarefas, explicar um novo projeto, comunicar uma nova contratação ou reforçar as regras da empresa, nenhum líder pode ter medo de se comunicar. Olhe nos olhos das pessoas, reúna o grupo e seja transparente. Mesmo que o assunto seja delicado, como uma crise financeira na empresa, não omita as informações de sua equipe. Explique de forma objetiva o que está acontecendo, afinal de contas, todos os funcionários têm o direito de saber.

Seja sempre educado, mas firme em sua postura. Lembre-se de que os seus funcionários não são adivinhos e só conseguirão agir conforme as suas expectativas se você deixar claro quais são elas.

3. Forme equipes vencedoras

Por falar em alinhar as suas expectativas com os seus funcionários, todo líder precisa formar equipes vencedoras. Para que isso aconteça, ele precisa analisar o projeto ou o setor que está liderando, definir cargos e estabelecer as habilidades que se esperam em cada um deles. Depois disso, ele deve conduzir processos seletivos para que possa contratar pessoas com o perfil profissional compatível com o da vaga.

Além da contratação, o líder também precisa monitorar o desempenho dos seus contratados, avaliando se estão seguindo as regras da empresa, se estão agindo conforme as habilidades exigidas dentro de seu cargo e se estão motivados. Para cada caso, o líder deve agir de uma maneira específica:

  • Funcionário motivado, porém incompetente: é preciso treiná-lo para lapidar as suas competências e habilidades;
  • Funcionário desmotivado e incompetente: não há por que manter essa pessoa no quadro de funcionários;
  • Funcionário desmotivado, porém competente: é preciso motivar esse funcionário, seja com reconhecimento, com um bônus etc.;
  • Funcionário motivado e competente: é o sonho de qualquer líder. É preciso promovê-lo, reconhecer os seus méritos e oferecer-lhe novos desafios.

Em cada caso, é importante que o líder ofereça o feedback, ou seja uma reunião individual com a avaliação de desempenho do funcionário. Isso deve ser feito periodicamente, preferencialmente com documentos que ofereçam transparência e embasamento para a avaliação do funcionário.

Você é feliz?

4. Seja um bom ouvinte

Todo bom líder precisa ter a consciência e a humildade para reconhecer que ele não fará nada sozinho. Ninguém consegue carregar um departamento ou um projeto nas costas, e é por isso que as equipes são formadas, de modo que cada membro delas possa dar a sua contribuição, de acordo com as suas habilidades.

Por isso, é importante que o líder seja um bom ouvinte. É necessário que ele saiba ouvir o que os outros têm a dizer, dentro de seus pontos de vista. É claro que a decisão final e as ordens cabem ao líder, mas isso não o impede de incluir os colaboradores no processo de decisão. Conforme eles apresentem os seus argumentos, o líder poderá chegar a uma decisão mais estratégica.

Por isso, a liderança democrática é vantajosa, pois ela permite que todos os membros da equipe participem, despertando-lhes não apenas a motivação para o trabalho, mas também uma sensação de acolhimento e de pertencimento.

5. Tome decisões e assuma a responsabilidade

Apesar dessa participação de todos, o líder deve entender que a palavra final será sempre sua. Embora isso possa lhe dar uma sensação de poder, é preciso que nos lembremos da frase popular que diz que “com grandes poderes, vêm grandes responsabilidades”.

Isso quer dizer que os resultados obtidos em cada atividade serão de responsabilidade do líder, sejam eles positivos ou negativos. É claro que, dentro do departamento, o líder poderá cobrar explicações de um ou de outro funcionário, mas, do ponto de vista da corporação, um erro de marketing, por exemplo, cai no colo do gestor de marketing, e assim por diante.

Portanto, um bom líder não pode ter medo de tomar decisões, nem de arcar com as consequências delas. O dono da empresa não está interessado em justificativas, mas em soluções para os problemas que surgirem. Por isso, cabe ao líder também pensar no plano, B, C, D etc.

Dica bônus: coaching de liderança

Você não achou que o coaching ficaria de fora dessa, não é mesmo? Pois é, existem sessões de coaching específicas para quem deseja lapidar as suas competências como líder, ou mesmo para desenvolvê-las (no caso de quem nunca foi líder, mas pretende ser).

Para quem está assumindo o posto — seja numa empresa, num departamento ou num projeto específico —, as sessões de coaching de liderança são extremamente benéficas. Elas trabalham alguns pontos essenciais, como:

  • Inteligência emocional;
  • Montagem de equipes vencedoras;
  • Comunicação clara e persuasiva;
  • Integração, motivação e avaliação de funcionários;
  • Organização e planejamento estratégico.

O coaching atua como um “acelerador” do processo de alcance de objetivos em diferentes áreas, e não é diferente no caso das lideranças.

Ser líder é mais do que dar ordens. É preocupar-se com o desenvolvimento de cada funcionário, sendo, acima de tudo, um grande exemplo para todas as habilidades e comportamentos que o líder deseja ver em seus liderados. Não é uma tarefa árdua, mas é algo que exige o desenvolvimento não apenas dos saberes específicos, mas também das competências gerais de liderança, abordadas acima.

E você, está pronto para ser um grande líder? Quais são os principais desafios que você ainda tem pela frente? Deixe o seu comentário com as respostas no espaço abaixo. Por fim, não se esqueça de compartilhar este artigo em suas redes sociais com todos aqueles que também possam se beneficiar deste conteúdo.

Imagem: Por ImageFlow

José Roberto Marques

Sobre o autor: José Roberto Marques é referência em Desenvolvimento Humano. Dedicou mais de 30 anos a fim de um propósito, o de fazer com que o ser humano seja capaz de atingir o seu Potencial Infinito! Para isso ele fundou o IBC, Instituto que é reconhecido internacionalmente. Professor convidado pela Universidade de Ohio e Palestrante da Brazil Conference, na Universidade de Harvard, JRM é responsável pela formação de mais de 50 mil Coaches através do PSC - Professional And Self Coaching, cujo os métodos são comprovados cientificamente através de estudo publicado pela UERJ . Além disso, é autor de mais de 50 livros publicados.



*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário: