eficiencia-eficacia-competitivadade

Eficácia, eficiência, competitividade e produtividade: conceitos de sucesso

Por: José Roberto Marques | Blog

No âmbito da administração de empresas, do empreendedorismo, ou mesmo do desenvolvimento pessoal, é comum nos depararmos com termos como eficácia, eficiência e produtividade. É fácil entender que todos eles representam estados positivos, que todos nós devemos buscar. No entanto, eles não são sinônimos.

Eficácia e eficiência não são a mesma coisa, assim como produtividade nem sempre implica competitividade. Muitas pessoas e empresas enfrentam problemas e não conseguem resolvê-los porque estão dedicando seus esforços a um desses conceitos, quando, na verdade, deveriam empenhar-se aos outros.

Se você deseja compreender melhor as diferenças entre essas palavras e, assim, atingir melhores resultados, confira, a seguir, a explicação acerca de cada uma delas. Leitura obrigatória para quem está na jornada do desenvolvimento pessoal ou do empreendedorismo:

Eficácia: fazendo a coisa certa

Imagine que uma empresa deseja estabelecer uma comunicação mais intensa com o público jovem. Em vez de investir nos meios de comunicação de massa, ela decide apostar nas redes sociais, como o Instagram. A estratégia funciona maravilhosamente, e a marca atrai muitos jovens consumidores, que são usuários da rede.

O exemplo acima retrata uma estratégia eficaz. A eficácia consiste em fazer a coisa certa para alcançar os objetivos. A empresa poderia ter investido em televisão, rádio ou merchandising, mas fez a escolha certeira para impactar o público jovem: anunciar seus produtos e serviços no Instagram.

O mesmo pode-se dizer de um médico que tem dezenas de antibióticos à sua disposição, mas receitou exatamente aquele que acaba com a infecção do paciente. O medicamento é eficaz, já que resolve o problema que foi diagnosticado. Por extensão, podemos dizer que a ação do médico também foi eficaz ao resolver a enfermidade de seu paciente.

Eficácia, portanto, é fazer a melhor escolha entre todas as possibilidades para que um objetivo possa ser alcançado, seja ele pessoal, profissional ou corporativo. A ênfase desse conceito está nos resultados. Se você ou sua empresa toma uma atitude e ela permite que seu objetivo inicial seja alcançado, você foi eficaz.

Eficiência: fazendo da melhor maneira

Ainda tomando como base a situação acima, vamos supor que duas empresas utilizaram o Instagram como um canal de comunicação para atrair mais consumidores jovens. As duas empresas investiram a mesma verba nessa comunicação. No entanto, a empresa A teve um aumento de 50% nas vendas junto ao público jovem, enquanto a empresa B teve um aumento de 30%.

As duas empresas foram eficazes, já que a escolha que fizeram permitiu que o público jovem fosse mais atraído, nos dois casos. No entanto, se a empresa A conseguiu um aumento de vendas mais expressivo do que a empresa B, pode-se dizer que ela teve mais eficiência.

Ao contrário da eficácia, que consiste em fazer a coisa certa, a eficiência tem mais a ver com fazer da maneira correta. Tanto a empresa A quanto a empresa B tinham à disposição a mesma verba e a mesma ferramenta. No entanto, provavelmente, a empresa A desenvolveu textos, imagens, títulos e promoções mais persuasivas e criativas do que a empresa B. A sua maneira de implementar a estratégia foi melhor.

Resumindo, a ênfase da eficácia é nos resultados, enquanto a ênfase da eficiência é nos meios. Ser eficaz é fazer a coisa certa. Ser eficiente é fazer da melhor maneira possível.

Ah, mas não se engane: uma pessoa ou empresa pode ser eficaz, mas não ser eficiente, e vice-versa.

  • Alcancei os resultados, mas gastei muito dinheiro e muito tempo com a estratégia = fui eficaz, mas não fui eficiente.
  • Desenvolvi uma estratégia econômica e super criativa, mas não alcancei totalmente os meus objetivos = fui eficiente, mas não fui eficaz.

Efetividade: produzindo impactos positivos

Retomando o nosso exemplo, tanto a empresa A quanto a empresa B investiram a verba de comunicação no Instagram para fortalecer a marca junto ao público mais jovem. As duas empresas foram bem-sucedidas e conseguiram atrair bastante atenção e engajamento.

No entanto, as consequências foram um pouco diferentes para as duas empresas. A empresa A conseguiu mudar o perfil de seu público-alvo de forma mais permanente, tornando a marca mais jovem. No entanto, a empresa B, apesar dos bons resultados na campanha, não conseguiu mudar permanentemente o perfil de seu público. Ela foi bem-sucedida naquele momento pontual, mas continuou sendo vista como uma marca para pessoas mais velhas.

Você é feliz?

O que podemos extrair dessa situação? A empresa A teve efetividade, enquanto a empresa B não. O conceito de efetividade consiste nos impactos positivos de uma ação, ou seja, suas consequências depois de implementada. Uma estratégia é efetiva quando altera a realidade anterior, promovendo maior desenvolvimento em médio e em longo prazo.

A eficácia pode referir-se ao sucesso de uma estratégia pontual, enquanto a efetividade se traduz em resultados duradouros. Se a campanha da empresa A conseguiu atrair definitivamente o público jovem, mudando a visão que as pessoas têm da marca, trate-se de um caso não apenas eficaz, mas também efetivo, pois trouxe um legado; um impacto positivo em longo prazo.

Produtividade: fazendo mais com menos

O conceito de produtividade é basicamente um sinônimo de eficiência: produzir mais com menos. No entanto, o termo produtividade é mais aplicado ao contexto das empresas e de sua capacidade de produzir. A definição mais clássica de produtividade é “a relação entre a produção e os fatores de produção utilizados”.

A produção refere-se à quantidade de produtos produzidos, enquanto os fatores de produção são os recursos utilizados para produzir, por exemplo: dinheiro, tempo, pessoas, máquinas, entre outros.

Se João e José fabricam 10 vasos, mas João demora 3 horas, enquanto José demora 4 horas, podemos dizer que João teve maior produtividade do que José, já que conseguiu produzir o mesmo, porém, em menos tempo.

Da mesma forma, se a empresa A e a empresa B investem 1 milhão de reais em sua linha de produção, mas a empresa A consegue um aumento de 50% em unidades produzidas e a empresa B tem apenas 30% de aumento no mesmo período, a empresa A teve mais produtividade do que a empresa B.

Observe que, no primeiro caso, estamos comparando a produção com o tempo, enquanto no segundo caso, a comparação é entre a produção e o dinheiro investido. São duas avaliações de produtividade pautadas em fatores de produção diferentes.

Além do tempo e do dinheiro, também podemos comparar a produtividade de duas empresas, por exemplo, com base em sua quantidade de funcionários, quantidade de máquinas, entre outros fatores de produção.

Como você deve ter percebido, a produtividade é praticamente um sinônimo de eficiência, ou seja, de fazer as coisas da melhor maneira possível. No entanto, a produtividade é mais voltada à escala de produção das empresas, enquanto o conceito de eficiência pode ser aplicado em basicamente qualquer área da vida.

Competitividade: superando a concorrência

Por fim, o conceito de competitividade também é aplicado ao contexto empresarial, sendo um resultado de todos os outros. A competitividade é a capacidade que uma organização possui de ter mais êxito em suas atividades do que as outras de seu segmento. De forma simplificada: competitividade é a superação dos concorrentes.

Dos conceitos anteriores, o que mais tem influência sobre a competitividade é a eficácia, pois é impossível que uma organização seja competitiva se não alcançar seus objetivos. A competitividade depende diretamente da capacidade de a empresa conquistar clientes, promover vendas, obter lucro e sobreviver dessa maneira.

No entanto, para ser competitivo, não basta sobreviver, é preciso prosperar e mostrar à sociedade algum tipo de superioridade em relação aos concorrentes. Isso se faz por meio de diferenciais competitivos – vantagens únicas de uma empresa sobre a concorrência. Alguns exemplos de diferenciais competitivos são:

  • Preço mais baixo;
  • Qualidade superior;
  • Durabilidade/resistência;
  • Diversidade de tamanhos, formatos, cores etc.;
  • Velocidade de produção/entrega;
  • Inovação;
  • Entre outros.

Como você deve ter percebido, esses cinco conceitos fazem parte do sucesso de pessoas e de empresas. Cada um possui suas particularidades, mas o ideal é que todos eles sejam procurados e desenvolvidos.

Ser eficaz, eficiente, efetivo, produtivo e competitivo é uma consequência de estudos, pesquisas, investimentos, análises de riscos e muito trabalho. Isso vale para qualquer objetivo a ser alcançado: seja uma pessoa desejando um novo emprego ou uma empresa buscando a liderança de seu nicho de mercado, por exemplo.

Agora, conhecendo as diferenças e os significados dessas palavras de forma mais aprofundada, fica um questionamento: qual desses cinco conceitos você mais precisa desenvolver? Deixe as respostas aqui nos comentários.

José Roberto Marques

Sobre o autor: José Roberto Marques é referência em Desenvolvimento Humano. Dedicou mais de 30 anos a fim de um propósito, o de fazer com que o ser humano seja capaz de atingir o seu Potencial Infinito! Para isso ele fundou o IBC, Instituto que é reconhecido internacionalmente. Professor convidado pela Universidade de Ohio e Palestrante da Brazil Conference, na Universidade de Harvard, JRM é responsável pela formação de mais de 50 mil Coaches através do PSC - Professional And Self Coaching, cujo os métodos são comprovados cientificamente através de estudo publicado pela UERJ . Além disso, é autor de mais de 50 livros publicados.



*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário: