aprendizagem-organizacional-conceito

Conceito de aprendizagem organizacional

Por: José Roberto Marques | Blog | 22 de agosto de 2018

É natural que, à medida que o tempo passe, a gestão de uma empresa faça adaptações. As atualizações podem ser resultado de uma autocrítica, surgimento de novidades ou ainda necessidade. Não importa qual seja o motivo, o objetivo é repensar as estratégias, elaborando mecanismos mais eficazes e assertivos para se sobressair perante a concorrência.

Nesse sentido, a aprendizagem organizacional tem ganhado cada vez mais força e se tornado um diferencial competitivo importantíssimo para empresas que buscam se destacar em sua área de atuação. A corporação pode fortalecer o conceito por meio de treinamentos e desenvolvimentos internos ou incentivar a busca pela educação contínua externa, como pós-graduação, especialização, curso complementar e mais. Saiba mais ao longo do texto!

Entenda qual é a definição de aprendizagem organizacional

Antes de continuar o artigo é melhor nos aprofundarmos no significado do termo aprendizagem organizacional. Você já leu ou ouviu sobre o assunto? O conceito é a junção de diversos conhecimentos, que permitem que a empresa treine e capacite seus colaboradores em prol da conquista de bons resultados, que podem ser relacionados aos objetivos da área do profissional em questão e às metas globais da corporação.

Os funcionários que estão em constante aprendizado conseguem aprimorar seu rendimento e se tornam ainda mais engajados. Por consequência, eles aumentam substancialmente os ganhos positivos do setor para a organização. Basicamente, mais conhecimento é capaz de gerar mais criatividade e produtividade, que é capaz de ajudar a chegar nas metas. E o gráfico é só ascendente!

Conheça os modelos de aprendizagem organizacional

Como todos sabem cada empresa trabalha de forma diferente. Essa individualidade é essencial, pois cada negócio funciona de um jeito. E tudo pode ter influência: desde o nicho em que a corporação está o que ajuda a construir a uma própria cultura organizacional e seus próprios processos de aprendizagem. Porém, o mercado oferta diversos modelos de aprendizagem organizacional. Conheça alguns deles:

Em grupo: aqui o foco é o estudo coletivo por meio do compartilhamento de sabedoria, vivência e experiências profissionais.

Sistêmica: este modelo acontece por meio da observação geral da corporação e todos os seus processos.

Com a liderança e a gestão: esse item base nos ensinamentos, exemplos e experiências transmitidos por meio do líder para o colaborador.

Prática: aqui a instrução é realizada na medida em que a rotina de trabalho é executada. No dia a dia, os profissionais conseguem aprender por meio das suas tarefas, absorvendo conhecimentos ainda não adquiridos. Por mais que os procedimentos sejam pré-estabelecidos e engessados é possível refletir sobre maneiras mais criativas e produtivas de realizá-los. Além disso, dependendo da função, é possível que novidades possam surgir de vez em quando.

Cultural: os profissionais podem assimilar conhecimento por meio da disseminação do tipo de cultura organizacional presente na empresa, bem como sua missão e valores.

Experiências profissionais: os trabalhadores são capazes de obter mais sabedoria com as suas experiências profissionais e de mercado. Assim, podem aplicar essa sapiência nos processos de trabalho, conquistando ainda mais resultados.

Olhe a si antes de olhar ao outro

O trabalho em conjunto da gestão, liderança e das áreas de recursos humanos e de desenvolvimento e treinamento é essencial para fazer com que a aprendizagem organizacional seja realmente executada corretamente dentro da empresa.

Os profissionais que são responsáveis pelo entendimento do conceito da aprendizagem organizacional, planejamento e aplicação devem sempre estar atentos ao próprio desenvolvimento. Isso mesmo! Não basta apenas cobrar evolução de outras pessoas enquanto não cuidar de si mesmo. Esse é o momento de abrir a sua mente para novidades e experimentar o coaching, que é um método cuja capacidade de despertar o empoderamento e de transformar é infinita. Para tornar isso realidade, o Instituto Brasileiro de Coaching (IBC) tem cursos que ajudam a capacitar ainda mais as pessoas, tornando-as profissionais de alto desempenho.

O MBA em Gestão de Pessoas & Coaching é um ótimo exemplo do IBC de especialização em gestão de pessoas somada a metodologia coaching. A grade curricular de 410 horas do curso mostra profundidade ao abordar conceitos, técnicas e ferramentas do coaching que podem ser usadas em diversas situações do gerenciamento de colaboradores. Para transmitir o conhecimento, a formação usa de aulas teóricas, dinâmicas, jogos, Pear Coaching (sessões), trabalhos individuais, discussão de cases, debates, palestras e muito mais.  Para completar, o programa é uma parceria educacional com a Sociedade Educacional Monteiro Lobato, com credenciamento do Ministério da Educação (MEC) e autorização de cursos de Pós-Graduação Lato Sensu.

Outra formação muito interessante é chamada de Consultor em Análise Comportamental, que ensina ao coachee (aluno) a fazer o mapeamento de perfil e tendências de comportamento. O objetivo é que com esse conhecimento, o profissional seja capaz de desenvolver uma forma de gerenciamento eficaz e assertiva.

Com conteúdo denso e exclusivo, o curso busca ensinar sobre o autoconhecimento e como fazer com que o exercício seja bem-vindo por todos da empresa, o domínio completo da Teoria dos Perfis Comportamentais, otimizar o processo de gestão de pessoas, aumentar os resultados positivos dos treinamentos e desenvolvimentos, obter maior rentabilidade dos funcionários, aprender a enxergar o perfil comportamental de cada colaborador. Além disso, o coachee irá aperfeiçoar a leitura comportamental daqueles que são candidatos a vagas na empresa, dando mais produtividade ao processo de recrutamento e seleção. Para obter esse conhecimento, o IBC fornece a utilização do Software do Coaching Assessment, uma poderosa ferramenta testada e aprovada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Fumsoft e Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

Hora de agir

Não basta apenas ler sobre como se capacitar e não investir em si mesmo. Pense que esse investimento será uma forma de você crescer profissional e pessoalmente. Sua carreira irá dar uma up e sua vida pessoal também sofrerá as consequências boas dessa transformação por meio do coaching. Afinal, por que não levar os bons conceitos de autoconhecimento e autodesenvolvimento para o relacionamento que você mantém com as pessoas fora do trabalho, não é mesmo? Para completar, lembre-se de que, ao se tornar um profissional melhor, você também tornará aqueles que estão na sua responsabilidade melhores. É um ciclo positivo de evolução constante.

Você aplica estes processos de aprendizagem em seu dia a dia? Conte nos comentários abaixo! Aproveite para compartilhar o post nas suas redes sociais!

 

Copyright: 1117353545 – https://www.shutterstock.com/pt/g/zamir

Deixe seu Comentário: