“VOA” – As Síndromes Executivas

Por: José Roberto Marques | Blog | 25 de janeiro de 2016

Ysbrand Cosijn/Shutterstock Vaidade,Orgulho e Arrogância: estão entre as síndromes mais frequentes entre os executivos

Existem alguns males que impedem executivos de irem além em suas carreiras e evoluir como profissional e ser humano. São comportamentos que podem estar presentes em qualquer colaborador, seja ele do mais alto escalão ou não. Porém, se essas características são encontradas em pessoas que ocupam cargos de comando, com isso, o relacionamento tanto com seus pares e, principalmente, com seus subordinados acaba se tornando difícil. Deste modo, o seu progresso rumo ao sucesso, ao estado desejado acontece de forma bastante lenta.

Exemplos de Síndromes Executivas

Vaidade – Muitos executivos têm sua vaidade exacerbada, são incapazes de reconhecer seus pontos de melhoria e se sustentam por capacidade técnica ou liderança.

Orgulho – Executivos orgulhosos são comuns. Reconhecem sua necessidade de melhoria ou mudança em certos aspectos, mas não conseguem mudar.

Arrogância- Arrogância é o mal mais comum entre executivos, no geral quanto mais alta a posição hierárquica, maior o grau de arrogância e incapacidade de ouvir os outros.

Peak Performers (Executivos de Alta Performance)

 Abordamos acima os comportamentos que podem fazer com um executivo enfrente grandes obstáculos para conseguir se realizar profissionalmente. Agora veremos como uma pessoa que tem foco no sucesso age e pensa. Dr. Charles Garfield, psicólogo e desenvolvedor do conceito Peak Performers, que são profissionais que buscam sempre satisfação na carreira, estudou 1.500 executivos de sucesso e notou algumas semelhanças:

Você é feliz?

  • Eles são guiados pela sua visão e missão;
  • Querem continuar aprendendo a vida inteira;
  • Acreditam que, o destino final e o processo para se chegar lá, são importantes;
  • Fazem visualização (ponte ao futuro);
  • Têm momentos de oscilação.

O Peak Performer pode ser facilmente confundido com a Síndrome de Burnout, que se trata de um distúrbio, onde o indivíduo se dedica somente ao trabalho, busca a realização profissional, mas comprometendo a sua saúde física e principalmente mental.

Porém, a diferença entre alto desempenho (alta performance) e Burnout é a habilidade de arranjar tempo para se recuperar. Workaholics têm tendência a Burnout, pois estão viciados em se sentir ocupados. Peak Performers são comprometidos com desempenho, performance e resultados melhores; o que interessa, para eles, é trabalhar de maneira mais inteligente

Neste sentido, o Coaching Executivo se destaca como um poderoso aliado a que os profissionais de alto escalão possam vencer suas síndromes executivas e conquistar alto desempenho em todos os âmbitos de sua carreira.

E mais, favorece no autoconhecimento profissional e pessoal, de modo que o coachee (cliente) possa encontrar o equilíbrio necessário para alcançar bem-estar, satisfação e plenitude, tanto na profissão como na vida. Invista em Coaching!

José Roberto Marques

Sobre o autor: José Roberto Marques é referência em Desenvolvimento Humano. Dedicou mais de 30 anos a fim de um propósito, o de fazer com que o ser humano seja capaz de atingir o seu Potencial Infinito! Para isso ele fundou o IBC, Instituto que é reconhecido internacionalmente. Professor convidado pela Universidade de Ohio e Palestrante da Brazil Conference, na Universidade de Harvard, JRM é responsável pela formação de mais de 50 mil Coaches através do PSC - Professional And Self Coaching, cujo os métodos são comprovados cientificamente através de estudo publicado pela UERJ . Além disso, é autor de mais de 50 livros publicados.



*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário: