memoria-declarativa

Saiba mais sobre a memória declarativa – Uma memória especial

Por: Equipe JRM | Blog | 16 de dezembro de 2019

A mente humana é extremamente poderosa e capaz de coisas fantásticas. No artigo de hoje falarei especificamente de um tipo de memória, a declarativa, que é de longo prazo e a responsável por armazenar fatos e eventos que podem ser lembrados ou “declarados” conscientemente. É através dela que você tem lembranças especiais ao ouvir determinada música ou ir a um local que costumava frequentar na infância, por exemplo.

O que é a memória declarativa?

Também conhecida como memória explícita, baseia-se no conceito de que é formada por dados que podem ser facilmente armazenados e recuperados. Se difere da memória processual, que abrange habilidades que estão profundamente arraigadas na mente e são executadas de modo inconsciente.

Imagine que está conversando com um amigo sobre livrarias e ele pergunta qual a sua preferida. Então, você responde, dizendo o nome do estabelecimento e o último livro que comprou lá. O amigo pede que explique onde a tal livraria fica, você também responde com facilidade, sem precisar pesquisar na internet ou usar aplicativos de mapa. Esse é um exemplo de memória declarativa.

Sua capacidade de recuperar endereços, títulos e autores de livros, números de telefone e uma experiência que teve em uma loja fazem parte da sua memória declarativa, que está ligada a fatos, dados e eventos. Ela é de longo prazo, por isso, é comum se lembrar de situações que ocorreram anos atrás.

Tipos de memória declarativa

A memória declarativa compreende outras duas subcategorias, que são as memórias episódica e semântica. Foi o pesquisador Endel Tulving quem propôs pela primeira vez essa distinção, o que ocorreu em 1972. Veja, a seguir, exemplos de cada uma delas para entender melhor.

A memória declarativa episódica é aquela ligada a eventos específicos, daí vem o seu nome, que remete à palavra episódio. Alguns exemplos incluem:

  • O nome do seu primeiro cachorro de estimação;
  • Onde você estava quando aconteceu a queda do muro de Berlim;
  • O nome de um amigo de infância;
  • O dia do nascimento do seu irmão mais novo.

Já a memória declarativa semântica envolve a capacidade de recordar fatos e conceitos, o que costuma ser chamado de conhecimento de mundo. Exemplos:

  • Saber que a queda do muro de Berlim ocorreu no dia 9 de novembro de 1989;
  • Conseguir diferenciar uma laranja de uma tangerina;
  • Saber que a cidade de Campinas fica no estado de São Paulo;
  • Ser capaz de associar letras aos seus sons.

Diferenças entre memória declarativa e processual

A memória processual é aquela adquirida através da repetição e prática, algumas vezes também descrita como memória muscular ou corporal. Também conhecida como memória implícita, ela permite realizar ações motoras comuns, como escovar os dentes, por exemplo, algo que a grande maioria das pessoas faz de modo automático, sem precisar pensar nas ações necessárias para tal.

Você é feliz?

Geralmente, pacientes que sofrem de amnésia anterógrada, que é aquela em que as memórias antigas são lembradas e as recentes não, têm apenas a memória declarativa afetada, permanecendo com a memória processual intacta. Assim, o indivíduo pode se lembrar perfeitamente de como falar ao telefone, mas não consegue se lembrar com quem falou mais cedo naquele dia.

Um exemplo comum das diferenças entre as memórias declarativa e processual é que a segunda permite digitar em um teclado sem olhar para as teclas, enquanto você precisa da primeira para se lembrar que as teclas A, S e D estão à esquerda e J, K e L à direita. Alguns exemplos de memória processual são:

  • Dirigir;
  • Andar de patins;
  • Andar de bicicleta.

Normalmente, são atividades que você pode passar meses ou até anos sem executar, mas que é capaz de conseguir facilmente voltar a realizar.

Relação entre a memória declarativa e o estresse

Um estudo constatou que o estresse pode ter um impacto significativo na formação de memórias declarativas. Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores realizaram o seguinte experimento: formaram um grupo de pessoas e as submeteram a um processo com três etapas.

  • Etapa 1: memorizar uma série de palavras.
  • Etapa 2: metade do grupo passou por uma situação estressante, como falar em público, já a outra realizou atividades que não geravam estresse.
  • Etapa 3: lembrar as palavras da primeira etapa.

O desempenho da memória declarativa foi pior entre os participantes que foram expostos a uma situação estressante após a memorização inicial das palavras. Esse é um fato bastante interessante e que traz uma informação valiosa para quem deseja memorizar dados importantes: evitar o estresse!

5 Dicas para melhorar a memória declarativa

Como se pode ver, a memória declarativa tem um papel muito importante em nossas vidas. Ela nos permite lembrar de lugares, pessoas, situações, detalhes essenciais de nossa história. A seguir, confira dicas de como melhorar o desempenho do cérebro em relação a essa memória tão especial.

1 – Exercite seu cérebro regularmente: ao invés de depender sempre da agenda do celular ou de aplicativos de GPS, experimente se lembrar dos números de telefones e trajetos para chegar onde deseja.

2 – Sono de qualidade: a mente precisa de descanso para se manter ativa, além disso é durante o sono que as memórias são consolidadas. Dessa maneira, procure manter uma rotina para dormir o suficiente todas as noites.

3 – Evite realizar mais de uma tarefa simultaneamente: quando você realiza duas ou mais tarefas ao mesmo tempo, não consegue se concentrar totalmente em nenhuma, o que compromete sua capacidade de memorização.

4 – Exercite seu corpo: corpo e mente estão totalmente conectados, assim, ao praticar exercícios físicos também está estimulando o seu cérebro. Inclua ao menos uma caminhada diária de 30 minutos em sua rotina e verá os benefícios.

5 – Seja organizado: adote o hábito de fazer listas com as tarefas que precisa realizar. Se estiver tentando aprender algo novo, crie seus próprios resumos com o conteúdo em questão. Essas medidas irão estimular sua memória declarativa e te ajudarão a se envolver ativamente no aprendizado.

A memória declarativa é importante e especial por diversos motivos. Primeiro, porque ela é extremamente útil no dia a dia e, segundo, porque é através dela que nos lembramos de momentos marcantes de nossa história.

Gostou de saber como essa parte da sua memória funciona? Deixe o seu comentário abaixo e compartilhe o artigo em suas redes sociais!

Copyright: 1221324307 – https://www.shutterstock.com/pt/g/13Phunkod

*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário: