ginastica-laboral-dicas

A Importância da Ginástica Laboral na Empresa

Por: José Roberto Marques | Blog | 26 de junho de 2019

O ritmo frenético de trabalho entorpece as pessoas. Vi em um escritório de uma indústria um grupo de funcionários boicotando a ginástica laboral porque “tinham mais o que fazer”. Primeiro briga-se para que as empresas ofereçam exercícios e quando elas oferecem briga-se para não fazê-los porque está atolado em trabalho? Onde está a coerência disso?

A ginástica laboral (laboral vem de lavorare, ou seja, trabalhar) consiste em uma parada diária (ou mais de uma) para exercícios leves de alongamento no próprio ambiente de trabalho. Esse tempinho representa um “refresco” para a mente que está sobrecarregada e uma forma de trabalhar o corpo para as horas de digitação, posturas incorretas no tempo sentado, longos trajetos de sobe-desce e os esforços físicos do cotidiano do trabalho.

Esses exercícios atuam, principalmente, na prevenção de doenças ocupacionais, aquelas causadas em decorrência do trabalho, incluídas nos grupos de síndromes LER (Lesões por Esforços Repetitivos) e DORT (Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho). Entre essas doenças as mais comuns são tendinite, bursite e mialgias, que afetam os músculos, nervos e tendões, principalmente nos membros superiores.

A Importância de Investir e Estimular a Ginástica Laboral

Ginástica laboral é a forma mais evidente de a empresa demonstrar preocupação com a saúde e o bem-estar dos seus profissionais. Esse “tempinho” de exercício, descontração, e interação promove um bem imensurável na qualidade de vida dos profissionais.

Não só na prevenção de doenças ortomoleculares, na melhoria da ergonomia, mas na condição mental e emocional dos colaboradores que conseguem “respirar” durante quinze minutos e não serem sufocados pelas preocupações da rotina.

Para além da ginástica diária, são válidas as ações esportivas como campeonatos de futebol, voleibol, e outros jogos que a empresas promovem em dias de lazer. A saída da rotina e a movimentação do corpo colaboram para que o trabalho não seja um fardo tão pesado de ser carregado.

Benefícios da ginástica laboral

Antes de mais nada, pergunte a si mesmo como está a sua saúde no ambiente de trabalho? Você costuma sentir algum tipo de incômodo físico ao realizar as suas atividades diárias, como dores musculares, ardência nos olhos ou dor nas costas? Em uma escala de 0 a 10, que nota você dá para a sua postura corporal durante o dia de trabalho? Sua forma de sentar e utilizar o computador tem prejudicado sua saúde e bem-estar?

Responder algumas destas perguntas pode dar uma boa ideia sobre como anda sua saúde e se o seu trabalho tem prejudicado sua disposição para realizar tarefas diárias.

Pensando nisso, muitas empresas e organizações têm adotado a ginástica laboral como uma alternativa para colocar seus colaboradores em boas condições físicas e mentais para continuar exercendo suas demandas corporativas e contribuindo para a melhoria do desempenho e dos resultados.

Segundo o Conselho Federal de Educação Física – CONFEF, ginástica laboral é toda atividade física realizada no local de trabalho. Trata-se da realização de exercícios práticos e curtos, com o objetivo de estimular, relaxar e equilibrar o corpo, reduzindo possíveis lesões provocadas por movimentos repetitivos e inadequados.

A ginástica laboral, portanto, é a prática de pequenos exercícios durante a semana, com a finalidade de melhorar a saúde dos profissionais e contribuir para um melhor rendimento de cada um deles. Os exercícios devem sempre ser realizados com a orientação de um profissional especializado.

Trata-se de uma atividade importante não apenas para os trabalhadores, mas também para as empresas. Isso porque, além de contribuir com a saúde dos funcionários, ela favorece o alcance de bons resultados por meio da evolução do desempenho. Além disso, os exercícios garantem redução de gastos com afastamentos médicos, uma vez que previnem o desenvolvimento de doenças e lesões associadas ao ambiente de trabalho.

Para o físico do funcionário

– Maior disposição;
– Prevenção de doenças profissionais;
– Relaxamento da musculatura;
– Redução do sedentarismo;
– Redução da sensação de fadiga e mal estar;
– Desenvolvimento de consciência corporal.

Para o psicológico

– Melhoria da capacidade de foco e concentração;
– Redução do nível de estresse e ansiedade;
– Aumento da motivação;
– Melhora na autoestima;
– Promoção do equilíbrio emocional.

Para a empresa

– Melhoria nas relações interpessoais;
– Promoção de clima organizacional positivo;
– Redução de gastos relacionados a doenças ocupacionais;
– Redução de turnover e substituição de pessoal;
– Aumento da produtividade e engajamento dos colaboradores;
– Impacto positivo na imagem da empresa entre seus funcionários.

Consequências da Falta de Ergonomia no Trabalho

Problemas graves de saúde em decorrência de ruídos, luminosidade excessiva, má postura física, lesões pela repetição de movimentos e enfermidades, provenientes do uso inadequado dos equipamentos de proteção individual: são alguns dos principais problemas das organizações que não incluem a ergonomia em seu ambiente de trabalho.

Além de assumir o risco de acidentes, os prejuízos são tanto físicos (para os colaboradores), como financeiros (para a empresa e o governo), pois alguns tipos de lesões causam afastamento e, muitas vezes, a aposentadoria precoce dos profissionais.  Para evitar que isso aconteça, a ergonomia se apresenta como uma forma efetiva de orientar e cuidar dos colaboradores e, especialmente, de garantir que executem seu trabalho de maneira correta.

Dicas de ginástica laboral no ambiente de trabalho

– Evite ficar sentado por muito tempo. Faça pequenas pausas entre uma atividade e outra para relaxar e esticar o corpo;

– Mantenha sua postura ereta ao sentar;

– Regule o encosto da cadeira de acordo com seu tamanho;

– Mantenha seu computador a uma distância entre 40 e 60 cm;

– Tenha um apoio para os pés;

– Faça alongamentos antes de iniciar o trabalho e após cada intervalo.

Tenha a certeza também de que essas ações contribuem para que os talentos sejam retidos, ou o inverso, se sua empresa ainda não se atentou para essas práticas, pode ser que seu colaborador, ao encontrar empresas com essa consciência, se sinta bastante tentado a “mudar de time”.

Afinal, a relação de trabalho tem duas vias: o profissional contribui para o crescimento da empresa e a empresa contribui para o crescimento individual dos seus profissionais. Fique atento a isso e busque encontrar formas efetivas para aumentar a qualidade de vida de seus profissionais em sua empresa. Invista em ginástica laboral!

Gostou do texto? Curta, comente e compartilhe!

Copyright: Iluistrator/Shutterstock

Deixe seu Comentário: