compulsao-alimentar

Por que é tão difícil vencer a compulsão alimentar?

Por: José Roberto Marques | Blog

A compulsão alimentar acontece quando as pessoas se alimentam de forma desequilibrada e excessiva, com o objetivo de obter algum prazer. É sabido que quando comemos um alimento de que gostamos muito, são disparadas em nosso organismo grandes quantidades de dopamina, um dos hormônios associados à sensação de bem-estar e prazer.

É por isso que é tão difícil abrir mão daqueles alimentos açucarados ou gordurosos que aprendemos a gostar desde a infância. Comer um rabanete não produz o mesmo efeito e, como o cérebro é programado para procurar por prazer, acabamos não resistindo e devorando o primeiro bolo de chocolate que vemos pela frente.

É por isso que fazer dietas é tão complicado, não é mesmo? Essa história é familiar para você?

As dificuldades do processo

Emagrecer ou simplesmente tentar adotar um padrão alimentar mais saudável é difícil, já que seguir uma dieta restritiva e praticar atividade física não são lá hábitos muito prazerosos.

Isso acontece porque o sistema nervoso de recompensa está ligado. O cérebro, sempre procurando por prazer, começa a pedir por carboidratos para liberar aquelas doses de dopamina de que tanto gostamos.

Quando isso acontece, a dopamina estimula nossas emoções, ao mesmo tempo em que inibe a ação do neocórtex, a parte cerebral que deveria estimular o pensamento racional do tipo “não coma, isso não é saudável, isso vai contra o seu objetivo de emagrecer”.

É como se os mecanismos de recompensa imediata todos fossem ativados ao ver um pedaço de bolo, ignorando completamente os sistemas de pensamento em longo prazo. Como o cérebro arquiva essa memória de que bolo = prazer, toda vez que virmos algum bolo, essa emoção volta à tona num mar de dopamina.

Quanto mais dopamina nós tivermos no neocórtex, menos ativo ele estará e, portanto, não conseguirá nos ajudar a pensar de forma racional. Resultado: você escapa da dieta, come o bolo de chocolate e ignora a saladinha.

Você é feliz?

Como resolver esse problema?

Desde a infância, esse circuito de recompensa imediata está ativo. É por isso que não estamos programados para fazer dietas.

Dessa forma, as práticas modernas de nutrição, como é o caso da nutrição comportamental, têm o objetivo de virar esse jogo: fortalecer o neocórtex para que ele não seja enfraquecido pela ação da dopamina.

Enquanto esse jogo não for virado, o indivíduo continuará a manifestar desejos pelos alimentos menos indicados para o emagrecimento. Sempre em busca do prazer imediato, e não dos benefícios em longo prazo, ele continuará manifestando comportamentos alimentares compulsivos.

Assim, a nutrição contemporânea exige, além das tradicionais dietas, uma reprogramação desses circuitos cerebrais, que é possível com treinos e práticas terapêuticas cognitivo-comportamentais.

José Roberto Marques

Sobre o autor: José Roberto Marques é referência em Desenvolvimento Humano. Dedicou mais de 30 anos a fim de um propósito, o de fazer com que o ser humano seja capaz de atingir o seu Potencial Infinito! Para isso ele fundou o IBC, Instituto que é reconhecido internacionalmente. Professor convidado pela Universidade de Ohio e Palestrante da Brazil Conference, na Universidade de Harvard, JRM é responsável pela formação de mais de 50 mil Coaches através do PSC - Professional And Self Coaching, cujo os métodos são comprovados cientificamente através de estudo publicado pela UERJ . Além disso, é autor de mais de 50 livros publicados.



*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário: