florais-bach

Florais de Bach para Ansiedade

Por: Equipe JRM | Ansiedade | 07 de maio de 2019

Não há dúvidas de que existe hoje um grande movimento em direção a um retorno às coisas naturais, a um ceticismo em relação a coisas sintéticas, a um desejo pela pureza das substâncias e pela simplicidade de materiais.

Podemos ver isso em alguns pontos que recentemente vêm ganhando mais força em nossa cultura: busca por homeopatias e fitoterapias, alimentos orgânicos, materiais biodegradáveis, fontes de energia tão naturais quanto possível; hoje em dia o apelo científico das coisas produzidas em laboratório como precisas e eficientes está diminuindo, e na ideia de saúde está cada vez mais implícita a ideia de natureza.

Os Florais de Bach, líquidos preparados a partir de determinadas plantas inicialmente pelo doutor Edward Bach, entre os anos 1920 e 1930, estão sendo redescobertos no movimento de nossos tempos. Com uma proposta de pureza e simplicidade, esses florais (cuja fórmula não é patenteada; ao contrário, é divulgada gratuitamente) são preparados com flores e água — deixando-as no sol ou fervendo — e conservadas em brandy, uma bebida feita, geralmente, a partir da uva.

O dr. Bach afirmava que a cura por meio dessas preparações era mais efetiva porque elas atuam na esfera emocional da pessoa, tratando não apenas os sintomas, mas as causas emocionais dos sintomas, proporcionando um tratamento mais integrado da dor ou do sofrimento do paciente. Se ele tem razão, seria possível, com os florais de Bach, tratar um estado tão complexo quanto a ansiedade, que pode ter inúmeras causas.

Vejamos alguns dos florais que mais são indicados por Bach para os sintomas ligados à ansiedade, retirados de seu livro Os doze curadores e outros remédios:

PARA AQUELES QUE TÊM MEDO

ROCK ROSE: o remédio de resgate. O remédio de emergência para casos onde parece não haver sequer esperança. Em um acidente ou doença repentina, ou quando o paciente está muito assustado ou aterrorizado, ou se a condição é séria o bastante para causar grande medo àqueles ao redor. Se o paciente não estiver consciente os lábios podem ser umedecidos como remédio. […]

MIMULUS: medo de coisas mundanas, doença, dor, acidentes, pobreza, do escuro, de ficar sozinho, de desgraça. Os medos da vida cotidiana. Estas pessoas silenciosamente e secretamente suportam o seu temor, não falam livremente dele para outros.

CHERRY PLUM: medo de que a mente seja tensionada demais, de que a razão ceda, de fazer coisas temerosas e temidas, não desejadas e sabidas erradas, no entanto vem o pensamento e o impulso de fazê-las.

ASPEN: medos vagos desconhecidos, para os quais não se consegue dar nenhuma explicação, nenhuma razão. Embora o paciente possa estar aterrorizado de que algo terrível vá acontecer, ele não sabe o quê. Estes medos vagos inexplicáveis podem assombrar à noite ou de dia. […]

RED CHESTNUT: Para aqueles que acham difícil não ficar ansiosos por outras pessoas. Com frequência pararam de se preocupar com si mesmos, mas por aqueles que lhe são queridos podem sofrer muito, frequentemente antecipando que alguma coisa desafortunada possa acontecer a eles.

PARA AQUELES QUE SOFREM COM INCERTEZA

CERATO: aqueles que não têm confiança suficiente em si mesmos para tomar suas próprias decisões. Constantemente procuram o conselho de outros, e frequentemente são mal orientados.

SCLERANTHUS: aqueles que sofrem muito por serem incapazes de decidir entre duas coisas, primeiro uma parecendo correta e então a outra. São geralmente pessoas quietas, e suportam a dificuldade sozinhas, visto que não são propensas a discuti-la com outros.

GENTIAN: aqueles que são facilmente desencorajados. Podem estar progredindo bem na doença ou nos outros assuntos da sua vida diária, mas qualquer pequeno atraso ou obstáculo ao progresso causa dúvida e logo os desanima.

GORSE: desesperança muito grande, desistiram da crença de que mais possa ser feito por eles. Sob persuasão ou para agradar outros podem tentar tratamentos diferentes, ao mesmo tempo assegurando àqueles ao redor que há muito pouca esperança de alívio.

HORNBEAM: para aqueles que sentem que não possuem força suficiente, mentalmente ou fisicamente, para carregar o fardo da vida colocado sobre eles; os assuntos de todo dia parecem-lhes demais para cumprirem, embora geralmente tenham sucesso em completar sua tarefa. Para aqueles que acreditam que alguma parte, da mente ou do corpo, precisa ser fortalecida antes que possam facilmente completar seu trabalho.

WILD OAT: aqueles que têm ambições de fazer algo de proeminência na vida, que desejam ter muita experiência, e desfrutar tudo aquilo que é possível para eles, viver a vida plenamente. Sua dificuldade é determinar qual ocupação seguir; visto que embora suas ambições sejam fortes, não possuem uma vocação que lhes atraia acima de todas as outras. Isto pode causar atraso e insatisfação.

Os florais de Bach podem, ainda, ser combinados de maneira a melhorar os resultados obtidos. São 38 florais com efeitos próprios e a proposta é mesmo que sejam de simples entendimento e muito puros, livres de efeitos colaterais, para que possa fazer uso qualquer pessoa interessada. São recomendados para tratamentos emocionais — o que pode ter impacto em problemas do corpo, a depender do caso —, de modo que, se o que você sente são dores ou limitações físicas, recomenda-se procurar a medicina tradicional e, ao mesmo tempo, utilizar os florais.

Note também: mesmo com toda essa simplicidade proposta pelo dr. Bach, é necessário que a pessoa que busca o tratamento com florais faça um exame interior e compreenda quais são suas emoções e como elas a afligem, coisa que pode ser, por si só, muito benéfica. O primeiro passo é o autoconhecimento.

Download gratuito do livro do dr. Bach:

http://www.bachcentre.com/centre/download/Portuguese_Doze_Curadores_1941.php/.

Copyright: 143649001 – https://www.shutterstock.com/pt/g/nito100

Deixe seu Comentário: