Anger,,Agression,,Stress,,Depression,,Nervous,Breakdown,,Business,Concept.,Angry,Mad

Estou com raiva! 10 dicas que vão ajudá-lo a se acalmar

Por: José Roberto Marques | Blog

A raiva é uma emoção humana natural, que todo mundo sente de vez em quando. Ela surge como um mecanismo de defesa, de modo que nós possamos nos proteger e nos defender diante de ofensas e injustiças que alguém comete em nossa direção.

Entretanto, por ser uma emoção intensa e de início súbito, ela pode comprometer a racionalidade dos nossos pensamentos. Por isso, falar e agir no calor do momento são atitudes que podem trazer arrependimentos e consequências severas. Sendo assim, é essencial que aprendamos a administrar a raiva. Neste artigo, você conferirá 10 técnicas para que isso ocorra. Boa leitura!

1. Acolha o seu sentimento

Negar ou reprimir um sentimento não são as melhores maneiras de lidar com ele. Portanto, se você sentir-se raivoso, admita essa emoção e entenda que ela faz parte da natureza humana. Essa percepção trará a você a consciência de que agora não é o melhor momento para tomar qualquer decisão.

Quanto mais uma pessoa é capaz de identificar e reconhecer a sua emoção, mais capaz ela é de lidar com ela, de forma rápida e positiva. Portanto, reconheça os sinais e compreenda o que se passa com você. Esse é o primeiro passo para a inteligência emocional.

2. Controle a sua respiração

Em momentos de raiva, uma série de reações orgânicas tem início, o que inclui a tensão muscular, o aceleramento dos batimentos cardíacos e o aumento da frequência respiratória. Nesse momento, se você for capaz de realizar respirações mais lentas e mais profundas, conseguirá “desativar” esse sistema da raiva.

Isso ocorre porque a respiração mais profunda melhora a oxigenação dos tecidos do corpo, o que inclui o cérebro. Assim, a mente compreenderá que você está se acalmando e finalizará esse modo raivoso de agir. A dica é respirar de forma atenta, inspirando pelo nariz, enchendo o abdômen de ar e expirando pela boca.

3. Não responda enquanto estiver irritado

Como citamos anteriormente, o calor do momento prejudica o pensamento racional. Por isso, quando a raiva estiver em alta, não responda à pessoa que a provocou. É melhor não dizer nada. O mesmo vale para a comunicação escrita: não responda ao e-mail ou mensagem de texto recebida enquanto não se acalmar.

Diante de emoções intensas, as pessoas têm dificuldade de raciocinar, de compreender totalmente a situação em que estão envolvidas e de identificar uma maneira sensata de resolvê-las. Por isso, acabam falando o que não deviam — o que inclui ofensas ou frases das quais se arrependem depois.

4. Conte até 10

A raiva é uma emoção que provoca reações rápidas. Por isso, quando menos percebemos, já disparamos uma série de ofensas à pessoa que nos provocou. Algumas pessoas até mesmo reagem com agressões físicas, o que causa consequências ainda mais graves.

Por isso, a frase “conte até 10”, que já foi até mesmo título de campanhas de combate à violência, revela um hábito simples, mas que pode fazer a diferença. Nesses 10 segundos, o comportamento impulsivo desaparece, e a racionalidade retorna. Portanto, trata-se de um hábito a ser adquirido, sobretudo por quem tem um temperamento mais explosivo.

5. Ore

Pesquisas científicas têm comprovado os efeitos da oração sobre o organismo de uma pessoa. O fato de reforçar as suas crenças espirituais e renovar a sua confiança em determinados valores (como compaixão e perdão) faz da oração um mecanismo que ajuda o indivíduo a recuperar a serenidade.

Por meio da oração, podemos perdoar a quem nos ofende, pedir perdão por nossos próprios erros e refletir melhor sobre tudo aquilo que se passou. É algo a se fazer antes de responder qualquer tipo de provocação. Reforce a humanidade que habita em você antes de voltar a dialogar com o seu desafeto.

Você é feliz?

6. Medite

Algumas pessoas não têm o hábito de orar ou simplesmente não têm uma crença espiritual ou religiosa. Nesse caso, pode ser que a meditação seja uma atitude mais apropriada. Meditar significa concentrar a sua atenção sobre um único elemento, que pode ser o seu corpo, a sua respiração, uma imagem, um som etc.

Quando aprendemos a direcionar os nossos pensamentos para algo único, desenvolvemos as capacidades de concentração, de equilíbrio emocional e de tranquilidade. Assim, faça da meditação um hábito. Se desejar, coloque fundos musicais tranquilos. Em longo prazo, a prática tem efeitos benéficos sobre a administração das emoções e até mesmo sobre o autoconhecimento.

7. Pratique um exercício físico

Você já ouviu falar que quando estamos com raiva precisamos descarregá-la em vez de reprimi-la? Isso é verdade, mas devemos aprender a canalizar esse sentimento negativo em algo produtivo. Assim, a prática de atividades físicas é a resposta ideal para quando essa emoção intensa surgir.

Ao praticar o exercício, você conseguirá liberar a adrenalina e toda a energia acumulada que a raiva cria. É como se você “descontasse” o sentimento no próprio exercício, que pode ser uma caminhada, corrida, jogo de futebol, natação etc. Além disso, lembre-se de que toda atividade física libera endorfina, um neurotransmissor que produz sensação de tranquilidade e bem-estar.

8. Encontre uma distração antes de retornar ao problema

Conforme citamos, se você estiver em uma situação que lhe provocou raiva, é importante dar um tempo para reequilibrar o seu estado emocional antes de tomar qualquer atitude. Nesses casos, encontrar uma distração pode ser de grande ajuda.

Escrever, desenhar, assistir a um vídeo engraçado, passear com o cão de estimação, cozinhar e ouvir a sua música preferida são atividades que podem despertar emoções positivas e tirar momentaneamente os seus pensamentos da situação que despertou a raiva. Só tome uma atitude depois de se acalmar.

9. Perdoe

A dica 9 possivelmente é a mais difícil de colocar em prática. No entanto, se você conseguir perdoar quem provocou a sua raiva, isso indicará que o seu sentimento já está bem administrado.

Perdoar não é esquecer ou concordar com o que foi feito ou dito, mas apenas propor-se a colocar um ponto final na história e continuar a vida. Todo mundo erra, de modo que ninguém pode julgar-se em posição de perfeição ou de superioridade. Pode ser que você precise de um tempo até se acalmar e sentir o desejo de perdoar. Todavia, não tenha pressa. O importante é que o perdão seja verdadeiro.

10. Peça ajuda quando necessário

Lidar com a raiva nem sempre é fácil. Dependendo da situação em que estamos, é difícil administrar esse sentimento sozinho. Por isso, abra o seu coração e desabafe com as pessoas de sua confiança, como amigos e familiares. Eles podem ter conselhos que o ajudarão a lidar com esse sentimento.

Além disso, se você perceber que a raiva é uma emoção que surge com frequência em sua vida e em intensidade desproporcional aos fatos, talvez seja melhor considerar a ideia de procurar ajuda especializada, com um psicólogo.

A raiva é uma emoção necessária em nossas vidas para que possamos nos defender de ofensas e injustiças. Contudo, essa defesa precisa ser racional, de modo que o calor do momento torna-se um inimigo a ser evitado. Por isso, siga as 10 dicas acima para administrar o sentimento e recuperar o seu equilíbrio emocional antes de tomar qualquer decisão que possa gerar arrependimento mais tarde.

E você, querida pessoa, como lida com a raiva? Deixe o seu comentário no espaço a seguir. Por fim, leve esta reflexão aos seus amigos e familiares. Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!

José Roberto Marques

Sobre o autor: José Roberto Marques é referência em Desenvolvimento Humano. Dedicou mais de 30 anos a fim de um propósito, o de fazer com que o ser humano seja capaz de atingir o seu Potencial Infinito! Para isso ele fundou o IBC, Instituto que é reconhecido internacionalmente. Professor convidado pela Universidade de Ohio e Palestrante da Brazil Conference, na Universidade de Harvard, JRM é responsável pela formação de mais de 50 mil Coaches através do PSC - Professional And Self Coaching, cujo os métodos são comprovados cientificamente através de estudo publicado pela UERJ . Além disso, é autor de mais de 50 livros publicados.



*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário: