espaco-potencial-mae-bebe

Espaço Potencial Entre Bebê e a Mãe

Por: José Roberto Marques | Blog | 27 de novembro de 2018

Quando se trata da relação criança e mamãe, Winnicott afirma: “O brincar tem lugar no espaço potencial entre o bebê e a figura materna. Brincar desenvolve-se no espaço potencial de acordo com a oportunidade que o bebê tem de experienciar separação sem separação, e sua iniciação está associada com a experiência do bebê em desenvolver confiança na figura da mãe.”

Assim, podemos afirmar que o espaço potencial entre o filho e mãe, a família e entre a pessoa e a sociedade está diretamente relacionado ao seu nível de confiança. Aqui entra o conceito de objeto e fenômeno transicionais, onde Winnicott explica os processos de transição, quando a criança passa a não depender mais totalmente da figura da mãe e assim consegue conquistar maior independência e autonomia em relação a ela.

Com isso, a criança consegue começar a explorar novos contextos, a vivenciar suas próprias experiências, imaginação e a construir a sua imagem individual do eu, não mais unificado com o “eu” de sua mãe, representada apenas por si mesma. É nesta fase que a mãe também deve abrir mão do controle onipresente sobre o filho e começar a dar-lhe a liberdade necessária para que viva suas primeiras frustrações, constituindo desta forma seu espaço potencial.

Neste sentido, de acordo com Winnicott – “É a paciência da mãe que permite ao bebê ir aceitando o inevitável. E o inevitável é a percepção de que há duas pessoas, não duas metades que formam um todo.” Isso, com certeza, é essencial, pois marca o início da formação da criança como indivíduo, experiência que terá um papel fundamental em toda sua vida. Entretanto, é importante ressaltar que este processo não ocorre de maneira linear, mas sim por meio de uma combinação de 3 fatores: relacionais, ambientais e sistêmicos.

Relacionais: cada mãe se constitui como mãe de uma forma única. Mais ou menos demonstração de afeto; tratar de forma mais rígido ou mais maleável; tudo isso vai constituir os fatores relacionais.

Ambientais: o lugar onde se cresce é tão importante quanto as pessoas com as quais se cresce. Um ambiente desafiador é fundamental para o desenvolvimento potencial.

Sistêmicos: trata-se de como o sujeito consegue relacionar a cognição, a afetividade, o ambiente e as relações construindo um todo. O ser é completo e, por isso, sistêmico.

Contudo, como também ensina Bogomoletz, para que o espaço potencial verdadeiramente exista é preciso, antes de tudo, fazer uma separação do outro de nós mesmos. Ou seja, é necessário criar um espaço onde cada um seja o sujeito principal. Para esclarecer melhor esta importante questão, o especialista explica que – “Na relação simbiótica não há um “primeiro” e um “segundo”. As duas partes da relação não se percebem como indivíduos, como entidades separadas, como pessoas inteiras.”

Bogomoletz ainda completa sua explicação dizendo que – “Neste tipo de configuração humana percebe-se duas pessoas que não se percebem duas pessoas, e sim uma espécie de gêmeos siameses, entre as quais existe uma ligação invisível, como se fosse um cordão umbilical fantasma, que as une e as impede de existirem independentes (fisicamente) uma da outra. Esta condição “física” torna-as psicologicamente inseparáveis, fusionadas e, portanto, inexistentes enquanto unidades individuais.”.

Para entendermos com mais clareza esta questão, imagine que nem sempre para a mãe existe uma divisão clara entre ela e o seu bebê. Assim, por determinado tempo ou, às vezes, indefinidamente, ela pode imaginar que ambos são realmente um só e alimentar este tipo de relacionamento dependente.

Até certa idade, dos quatro aos seis meses, por exemplo, isso é essencial para a sobrevivência e proteção do neném. Porém, quando passa esta fase e a mãe ainda sente dificuldades em dar à sua criança o espaço necessário à vivência de novas experiências e de apresentá-la a um contexto de dependência mínima, isso pode minar completamente seu processo de amadurecimento e construção de confiança e independência. Logo, a criação do seu espaço potencial também fica comprometida, uma vez que a criança não aprende a diferenciar o “não eu” do “eu” e a superar a fase de onipotência.

É nisso que também acredita Safra. Segundo sua análise do tema, o desenvolvimento do espaço potencial é realmente essencial à construção do self, ou seja, do “eu” de cada um de nós. Portanto, como destaca – “À medida que interage com o outro – a mãe, primeiramente; mais tarde, o analista, o professor, o amigo – o indivíduo pode entrar em contato com diversas subjetividades por meio de manifestações culturais como: a música, o texto, o diálogo, enfim, a presença humana, que enriquece e complementa.”, explica.

De acordo com os estudos e teorias de Winnicott – “O espaço potencial pode ser visto como sagrado para o indivíduo, porque é aí que este experimenta o viver criativo”. Isso porque é nele que a pessoa experimenta verdadeiramente sua criatividade, sua conexão com o ambiente interno e externo e, especialmente, onde pode vivenciar todas as facetas do seu “eu”, sendo ali o protagonista da sua história e principal articulador de suas ideias e sentimentos.

Estar atento a isso é muito importante para entender com você e/ou a pessoa que estamos atendendo se relaciona com seu espaço potencial e, como as suas experiências de infância, consolidadas ou não, impactam em seus comportamentos, emoções e resultados atualmente. Portanto, compreender este passado é o primeiro passo para apoiar o indivíduo a transformar seu presente e a conectar-se com o futuro melhor que anseia e merece ter.

Créditos da imagem:  Por FotoAndalucia – ID da foto stock livre de direitos: 191273471

Deixe seu Comentário: