emagrecer-emocoes

Como uma emoção pode afetar o seu emagrecimento?

Por: José Roberto Marques | Blog

As emoções têm origens diversas, especialmente quando o assunto é comportamento alimentar. Podemos receber estímulos ao ver um alimento, ao sentir o seu cheiro, ao pegá-lo com as mãos, ao saboreá-lo, ou simplesmente ao ouvir alguém o descrevendo.

Como herança da evolução de nossa espécie, nossas emoções são estimuladas pelos nossos cinco sentidos, afinal de contas, todos nós precisamos comer e beber para sobreviver. No entanto, eles não são os únicos estímulos.

Os pensamentos, ou seja, as ideias também constroem emoções, inclusive no âmbito dos comportamentos alimentares. Quando você quer tomar um sorvete em um dia de calor com os amigos, você teve uma ideia que impactou uma escolha alimentar. Quando você decide comer mais salada e menos carboidratos para emagrecer, você também teve um pensamento e uma emoção que geraram um comportamento.

Emoções afetam nosso corpo

Qualquer estímulo externo pode nos provocar uma determinada emoção. Tudo isso é controlado pelo sistema nervoso. Esse sistema é responsável por contrair nossos músculos para uma reação de luta ou fuga, ativar manifestações fisiológicas de defesa e acionar o sistema endócrino, responsável pela produção de substâncias como o cortisol, entre outros neurotransmissores que regulam nossas emoções e nosso estado de humor.

O problema é que, cada vez que uma determinada emoção é registrada, o sistema nervoso fica mais propenso a repeti-la, fortalecendo sempre os mesmos circuitos. É por isso que uma pessoa que passa por situações de estresse com frequência vai, cada vez mais, fortalecer o mecanismo de reação ao estresse.

É o cérebro tentando preparar o seu corpo para reagir aos estímulos, mas isso pode desencadear problemas como ansiedade, estresse crônico e depressão. Nessas doenças, o círculo vicioso está sempre acionando o sistema nervoso com base nas mesmas emoções e nas mesmas reações.

Você é feliz?

Impactos sobre a alimentação

Essa retroalimentação do sistema nervoso também tem muito a ver com a compulsão alimentar. Cada vez que alguém passa por um momento de tristeza ou de estresse e come um alimento de que gosta para se sentir melhor, a tendência é que o cérebro registre essa ação, passando a exigir que a pessoa a repita cada vez que sentir uma emoção negativa.

Esse é o caminho para o desenvolvimento de um comer compulsivo. Este problema precisa ser tratado o quanto antes, pois, cada vez que a pessoa comer de forma compulsiva, o cérebro vai “pedir” que esse comportamento se repita para que a pessoa se sinta melhor.

Dessa forma, é preciso compreender que as pessoas podem encarar dificuldades em emagrecer ou em manter o peso por profundas questões emocionais. Enquanto elas não estiverem bem solucionadas (sejam elas questões de depressão, ansiedade, medos ou estresse), não há dieta que consiga solucionar o problema sozinha.

José Roberto Marques

Sobre o autor: José Roberto Marques é referência em Desenvolvimento Humano. Dedicou mais de 30 anos a fim de um propósito, o de fazer com que o ser humano seja capaz de atingir o seu Potencial Infinito! Para isso ele fundou o IBC, Instituto que é reconhecido internacionalmente. Professor convidado pela Universidade de Ohio e Palestrante da Brazil Conference, na Universidade de Harvard, JRM é responsável pela formação de mais de 50 mil Coaches através do PSC - Professional And Self Coaching, cujo os métodos são comprovados cientificamente através de estudo publicado pela UERJ . Além disso, é autor de mais de 50 livros publicados.



*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário: