Como Lidar com a Falta de Objetividade no Trabalho

Por: José Roberto Marques | Blog | 27 de dezembro de 2016
Duas profissionais sentadas lado a lado, uma focada em seu trabalho e outra com as mãos no queixo, pensando longe sem nenhuma objetividade

Photographee.eu’s/Shutterstock A falta de objetividade faz com que os profissionais percam o foco no trabalho!

Uma das competências essenciais no universo corporativo, onde tudo acontece de forma quase sempre muito rápida, é a objetividade. A capacidade de ser objetivo é a que permite ao colaborador apresentar ideias com mais clareza, congruência, foco e de modo mais direto e sem rodeios. Portanto, a falta de objetividade vai totalmente à contramão do que se espera de um profissional.

No dia a dia podemos perceber esta falta de objetividade naquelas reuniões longas, onde todos falam, dão ideias, mas não se chega a nenhuma conclusão. Nestes casos, é quase sempre certa a participação de profissionais que até têm boas ideias, mas que não conseguem formatá-las com assertividade. Assim, uma chuva de sugestões é dada não de forma pensada, mas sim aleatória; o que denota uma total falta consistência dos participantes.

Ser objetivo é saber apresentar um conceito que realmente agregue valor ao tema proposto; é saber explicar uma demanda ou mesmo um problema sem que para isso dê-se uma volta e meia na terra e tomar decisões rápidas quando necessário. Uma metáfora que traduz bem este termo é – “Ir direto ao ponto”.

Conquiste resultados extraordinários através do Coaching!
Clique aqui e conheça mais sobre essa poderosa metodologia!

Quando isso acontece de forma recorrente, geralmente a empresa, os líderes e a equipe perdem muito tempo com elucubrações que nem sempre cabem naquele momento. Digo isso porque tempo é dinheiro e assim como é importante refletir, também é essencial saber tomar decisões rápidas e assertivas.

Como Eliminar a Falta de Objetividade

Sabemos que todos os profissionais de uma empresa têm seu próprio perfil comportamental, a exemplo dos tipos – planejador, executor, analista e comunicador- que encontramos numa análise assertiva e profunda realizada por meio do Coaching Assessment. Por isso mesmo, cada um tem sua forma de se comunicar, sendo uns mais objetivos e outros menos.

Você é feliz?

Devemos, é claro, respeitar estas particularidades de cada personalidade, porém devemos lembrar também que tudo pode ser aprendido e melhorado. Será mesmo que um e-mail precisa ter duas páginas para apresentar uma ideia simples ou que cinco linhas resolveriam a questão? Será mesmo que é necessária uma reunião com toda equipe ou seria melhor convidar apenas os profissionais diretamente ligados àquela demanda?

Estes são dois exemplos de como tantos os colaboradores como a própria empresa pode sofrer da falta de objetividade, quando toma decisões que apenas atravancam os processos e dificultam a execução dos trabalhos.

Objetividade na Prática

Uma solução para ajudar a eliminar comportamentos subjetivos demais é dando estímulos para que os profissionais sejam mais focados. Uma boa dica para isso é fazer reuniões mais curtas, onde apenas um problema específico é trabalho por vez. Outra forma é por meio de bons exemplos, pois líderes objetivos criam um estilo de liderança que estimula os liderados a seguirem seu caminho e serem mais ágeis e assertivos em suas contribuições.

Para ser feliz é preciso viver por um propósito maior.Quer descobrir qual o seu nível de felicidade?
Faça o nosso teste!

Aproveite e procure incorporar estas dicas poderosas para desenvolver mais objetividade em sua empresa e nas suas ações, seja como colaborador ou como gestor de uma equipe. Na hora de escrever um e-mail, busque ser mais direto e sucinto em suas colocações, apresentando suas ideias sempre com clareza e foco.

José Roberto Marques

Sobre o autor: José Roberto Marques é referência em Desenvolvimento Humano. Dedicou mais de 30 anos a fim de um propósito, o de fazer com que o ser humano seja capaz de atingir o seu Potencial Infinito! Para isso ele fundou o IBC, Instituto que é reconhecido internacionalmente. Professor convidado pela Universidade de Ohio e Palestrante da Brazil Conference, na Universidade de Harvard, JRM é responsável pela formação de mais de 50 mil Coaches através do PSC - Professional And Self Coaching, cujo os métodos são comprovados cientificamente através de estudo publicado pela UERJ . Além disso, é autor de mais de 50 livros publicados.



*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário: