Upset,Young,African,Couple,Sitting,On,Sofa,Ignoring,Each,Other

7 sinais de que o relacionamento não vai bem

Por: José Roberto Marques | Blog

Todo relacionamento amoroso tem os seus percalços. Uma ou outra briga por diferentes formas de pensar faz parte desse tipo de relação. No entanto, quando esses conflitos se tornam muito frequentes, eles podem ser um indício de que esse relacionamento corre o risco de acabar antes da hora.

Mas como diferenciar os conflitos típicos de qualquer casal daqueles que de fato indicam uma crise mais grave? A linha entre eles pode ser tênue e deixar muita gente confusa. Por isso, elencamos neste artigo os 7 principais sinais de que o seu relacionamento não vai bem. Na dúvida, continue a leitura!

Clareie seus pensamentos com meu ebook “Detox da Mente”!
Um desafio que irá te ajudar a ter uma vida mais leve e feliz!

1. Os seus amigos e familiares têm uma opinião negativa sobre o seu parceiro

Ninguém é uma unanimidade. Por isso, se você tiver um novo namorado e o apresentar à sua família e ao seu grupo de amigos, realmente pode acontecer de uma ou outra pessoa não gostar dele por algum motivo. O problema acontece quando essa opinião negativa parte de um número expressivo de pessoas.

Se muitos dos seus parentes e amigos conversam com você sobre características do seu parceiro que não são bacanas, talvez seja bom ficar de olho. Quando nos apaixonamos, é natural ficarmos um pouco “cegos” quanto às falhas do namorado, mas nem por isso elas deixam de existir.

Talvez seja apenas implicância de algumas pessoas, e você veja dezenas de qualidades no parceiro que os outros não veem. Contudo, é bom ficar mais atento se a opinião geral for muito negativa. Ouça o que as pessoas têm a dizer e observe.

2. Não há diálogo entre você e o parceiro

Há casos em que duas pessoas se conectam por uma grande atração física. O homem acha a mulher linda, e a mulher vê no homem um verdadeiro deus grego. Mas, como se diz popularmente, a beleza física é importante nos primeiros cinco minutos. Depois disso, passamos a querer algo mais.

Não basta que exista atração apenas pelo corpo da pessoa e que o sexo seja maravilhoso. É preciso ir além. Que tipo de assuntos você tem em comum com a pessoa amada? Sobre o que conversam? Como é a qualidade do diálogo que existe entre vocês dois?

Se vocês conversam muito pouco, ou se é sempre sobre os mesmos assuntos e coisas de pouca importância, pode estar faltando química entre vocês. Além da conexão física, é preciso que haja uma conexão intelectual, que se manifesta por meio do diálogo. Um casal que não conversa ou que não tem assuntos em comum dificilmente conseguirá sustentar essa relação em longo prazo.

3. O outro desmerece você com frequência

Em qualquer relação, é fato que as pessoas envolvidas precisam desenvolver a consciência de que a outra pessoa não é perfeita. Todo mundo tem defeitos, mas, quando as pessoas se amam de verdade, elas aprendem a lidar com eles, pois as qualidades do ser amado fazem com que esses obstáculos valham a pena.

Mesmo que você tenha que fazer alguma crítica a alguma atitude da pessoa que o incomoda, é preciso fazê-lo com carinho, com o objetivo de ajudá-la, nunca de desmerecê-la. Contudo, se uma das partes critica a outra com frequência — de forma destrutiva, e não construtiva —, é sinal de que a relação está desgastada.

Se você sente que precisa constantemente defender-se de acusações e mostrar o seu valor a todo instante, pode ser que a paixão tenha chegado ao fim, ou ao menos que esteja em crise.

4. Vocês têm poucos interesses em comum

Quando duas pessoas se unem para conduzir as suas vidas juntos, isso não significa que elas precisam fazer tudo juntos. É natural que os dois tenham os seus momentos de individualidade, como quando um quer ir jogar futebol com os amigos, e o outro quer ir a um barzinho na companhia de outro grupo de pessoas.

Você é feliz?

O problema ocorre quando nada une os dois, exceto o momento de dormirem na mesma cama. Quando esse é o único ponto em comum entre essas duas vidas, algo está errado. Por mais que alguns interesses sejam diferentes, há outros que precisam ser compartilhados pelos dois.

Gostar de um estilo musical, acompanhar um esporte, ter um restaurante preferido, ir ao show da banda favorita — alguma coisa precisa unir as duas pessoas, de modo que possam desfrutar desses momentos uma na companhia da outra. Se isso não ocorre, o relacionamento está esfriando.

5. Um tenta mudar o outro

Como citamos anteriormente, ninguém e perfeito. Por isso, um relacionamento feliz é aquele em que os dois envolvidos reconhecem as próprias falhas e as falhas do outro, mas isso não os impede de se gostarem.

Nos relacionamentos infelizes, entretanto, esse incômodo com certas características do outro fala mais alto. É nesse momento que um começa a querer mudar o comportamento do outro, o que não é bacana. É claro que, se você está incomodado com algum comportamento do parceiro, você tem todo o direito de conversar com ele sobre isso. Contudo, isso é diferente de querer mudá-lo.

Se o seu parceiro é mais reservado, por exemplo, enquanto você é mais falante, respeite essa característica dele. As pessoas só mudam quando elas mesmas desejam promover essa mudança. Por isso, se quiser sugerir alguma modificação, sugira-a, mas sem impor um desejo de mudança. Isso deve partir da outra pessoa.

6. Vocês têm diferentes objetivos de vida

Diz-se popularmente que os opostos se atraem. De fato, pode ser, por exemplo, que uma pessoa mais reservada se interesse por alguém mais extrovertido, e vice-versa. Em geral, tendemos a procurar num parceiro as características que admiramos, mas que não encontramos em nós mesmos.

Quando essas diferenças dizem respeito a traços de personalidade e a determinados hábitos, não há problema, e elas podem até mesmo ser positivas. Quando o assunto se refere aos objetivos de vida, entretanto, a história é outra.

Um quer ter filhos, o outro não. Um quer morar no Brasil, o outro nos Estados Unidos. Um quer juntar dinheiro para comprar a casa própria, o outro não para de comprar itens supérfluos. Esse tipo de diferença é muito comprometedor na relação do casal. Para solucioná-lo, um dos dois teria que abrir mão dos seus desejos (o que provavelmente o faria infeliz), ou os dois teriam que aceitar que são muito diferentes para viverem juntos.

7. Não há confiança no casal

Toda pessoa tem um passado. Se você se apaixonou por alguém que, no passado, teve muitos namorados, era infiel e traía com frequência, você precisa fazer uma escolha: ou você acredita que essa pessoa de fato mudou e vive em paz ao lado dela, ou você não acredita nessa mudança e termina o relacionamento.

O que não pode haver é um casal que faz declarações de amor, mas que, por trás das palavras, permite que um sentimento de desconfiança permaneça. Ou existe confiança, ou não existe. Não há meio-termo neste assunto. Portanto, avalie os seus sentimentos e analise se você realmente é capaz de confiar na pessoa escolhida. Ficar com alguém em quem você não confia é uma tortura sem qualquer serventia.

Como é possível perceber, o desgaste num relacionamento dá sinais. Eles não são tão simples como as tradicionais discussões do tipo “toalha molhada em cima da cama”. Os indícios de que um relacionamento não vai bem geralmente dizem respeito aos itens mais importantes, como objetivos de vida, confiança, aceitação das diferenças, diálogo e interesses em comum. Sem esses itens, não há relação que sobreviva.

Que as dicas acima tenham sido úteis para você e que os seus relacionamentos sejam verdadeiramente felizes. Se este artigo fez sentido para você, não hesite em deixar o seu comentário no espaço abaixo. Além disso, lembre-se de que há mais pessoas que podem precisar das dicas acima. Por isso, compartilhe este texto com quem mais possa se beneficiar dele, por meio das suas redes sociais!

Imagem: Por Andrey_Popov

José Roberto Marques

Sobre o autor: José Roberto Marques é referência em Desenvolvimento Humano. Dedicou mais de 30 anos a fim de um propósito, o de fazer com que o ser humano seja capaz de atingir o seu Potencial Infinito! Para isso ele fundou o IBC, Instituto que é reconhecido internacionalmente. Professor convidado pela Universidade de Ohio e Palestrante da Brazil Conference, na Universidade de Harvard, JRM é responsável pela formação de mais de 50 mil Coaches através do PSC - Professional And Self Coaching, cujo os métodos são comprovados cientificamente através de estudo publicado pela UERJ . Além disso, é autor de mais de 50 livros publicados.



*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário: