O Poder da Terapia do Abraço

Por: José Roberto Marques | Blog | 22 de dezembro de 2016
Terapia do Abraço

Sunny Studio/Shutterstock Um abraço amoroso tem o poder de aquecer nosso coração e colocar um sorriso em nosso rosto

O sentimento, seja ele qual for, também se relaciona com nosso corpo por meio de expressões e gestos. Nosso corpo está programado para conectar as sensações a determinados movimentos no intuito de aumentar ou neutralizar a intensidade desses por meio do abraço e do sorriso.

A gratidão, quando cotidianamente praticada, torna-se um instrumento importante no eixo ego-self, devendo ser vivenciada em todos os momentos da nossa existência corporal como roteiro que assegura sua realização plena.  Duas formas de ampliar os benefícios da gratidão e de todas as emoções positivas atreladas a ela são o abraço e o sorriso.

Parece banal e clichê, mas se repararmos nas pessoas com as quais convivemos, aquelas que nos são apresentadas pelos amigos ou mesmo as que esbarramos no supermercado, banco, feira, faculdade, veremos como há sorrisos e abraços desprovidos de emoções positivas.

Terapia do Abraço e Seu Poder

Kathleen Keating, autora de “Terapia do Abraço”, faz uma análise bastante perspicaz de como o ato de abraçar é carregado de significado, e como produz benfeitorias para nossa saúde. O abraço pode ser um gesto formal de cumprimento, com pouco contato do corpo e os tradicionais “tapinha nas costas”.

O abraço pode ser com as mãos nos ombros, só como suporte para dar dois ou três beijinhos no rosto. Pode ser aquele abraço de ladinho (abraço de Homem, como se costuma dizer). Mas o abraço que realmente cura, aquele em que prolongamos nosso coração e toda energia de amor que nos envolve, é aquele abraço em que o en­caixe do dorso, dos rostos e dos braços proporcionam uma sen­sação de afeto, de aceitação, de plenitude e de felicidade.

O abraço é um ato consciente, logo, devemos querer que esse gesto seja significativo. Não deve haver medo, receio ou incômodo em tocar o outro. A troca não é de fluídos corporais, mas energéticos. É a consciência transcendental do abraço que faz com que alcancemos um novo nível de existência. É essa consciência que amplia poderosamente o sentimento de gratidão, de amor e felicidade.

Há muitas barreiras para o abraço e elas devem ser quebra­das. Geralmente, antes de abraçar alguém, nós costumamos fazer uma análise: “não vou abraçar o fulano porque sou homem e po­dem pensar mal, além do mais ele está suado. Também não vou abraçar o cicrano porque a roupa dele está suja. Aquela mocinha do café com aquele perfume horroroso? Nem pensar!”

São essas as análises que costumamos fazer antes de nos aproximarmos de alguém, e são essas avaliações carregadas de preconceito e julgamento que nos impedem de estar sinceramente abertos para a evolução e a transcendência. À medida que essas barreiras vão sendo derrubadas, a prática do abraço se torna liber­tadora e, por isso, terapêutica. O abraço torna-se um selo energéti­co, por meio do qual somamos nossa energia com a dos nossos irmãos nesse Universo.

O abraço é a expressão maior de gratidão do corpo. É a opor­tunidade que temos de ir além do obrigado superficial e desprovi­do de sentido. Ele é a concretização do desejo e da sensação de importância que todos têm em nossas vidas. É por meio do abraço que a fraternidade se realiza, se concretiza e se fortalece, por isso ele é um gesto tão importante para a busca da felicidade plena e do bem-estar.