libertar-sentimento-de-culpa

Como se Libertar do Sentimento de Culpa?

Por: José Roberto Marques | Blog | 09 de outubro de 2017

Entre todos, podemos dizer, sem errar, que o sentimento de culpa é um dos piores que existem. É ele que nos tortura e nos traz, a todo o momento, aquela contundente lembrança de um erro cometido e de ainda não conseguimos nos perdoar por esta falha. Como sempre digo todo ser humano tem o direito de errar, afinal, é isso que também nos permite aprender, evoluir e amadurecer e não repetir os mesmos erros mais adiante. Também ressalto que por traz de todo erro existe sempre a intenção positiva de acertar. Ou seja, você fez o melhor que podia fazer; com o que tinha e sabia, naquele momento.

Portanto, é hora de parar de se punir e de deixar para traz o sentimento de culpa que você carrega aí e buscar se libertar desta constante autossabotagem. Imagino que esteja se perguntando como fazer isso, não é mesmo? Pois bem, continue lendo e veja minhas reflexões do que você pode fazer para se sentir melhor em relação à sua culpa e para aprender como libertar-se dela.

Como Lidar com o Sentimento de Culpa?

Quando nos sentimos culpados por nossas ações geralmente é porque não estamos 100% convictos daquilo que fizemos ou estamos fazendo. Este sentimento surge também quando não nos sentimos aprovados, amados, reconhecidos; quando nossa autoestima não nos permite ter a confiança para assumir as nossas escolhas; quando não somos compreendidos em nossa intenção positiva e, especialmente, quando nos sentimos julgados negativamente por nossas decisões e os caminhos que seguimos.

Tudo isso acaba gerando o sentimento de culpa nas pessoas e fazendo com que carreguem fardos que, muitas vezes, elas não precisam carregar. Nem se fôssemos perfeitos conseguiríamos agradar a todos, essa que é a grande verdade. Digo isso porque cada um de nós tem um conjunto de crenças e valores individuais que define o seu senso de significado de mundo. Assim, o que para uns pode parecer errado, para outros é o mais correto a fazer.

Por que, então, você tem que ficar insistentemente se punindo ou alimentando sentimentos negativos que apenas sabotam sua autoconfiança? Por que você não busca enxergar o lado positivo da sua ação? Até mesmo os erros trazem para nós uma oportunidade de aprendizado. O grande equívoco está em focar apenas no que não foi tão bom, pois é isso que faz com que percamos a oportunidade de refletir objetivamente sobre nossas falhas e de amadurecer com elas.

Pense comigo, se já foi feito não tem volta, não é mesmo? Para quê remoer o que passou se você pode olhar para frente, aprender e caminhar sem o sentimento cortante de culpa? No fundo, o que estou dizendo é que você precisa ter mais empatia e compaixão consigo mesmo, pois ninguém está livre de errar, nem mesmo você. Fuja o ideal de perfeição, pois o importante em cada tropeço é tomar consciência dos pontos que precisam ser melhorados, trabalhar no sentido de eliminar o que te sabota e de investir naquilo que te faz bem.

A Importância do Autoperdão Para se Libertar do Sentimento de Culpa

Muito se fala na importância do perdão, de ressignificar os acontecimentos ruins e de perdoar a quem possa ter nos ferido e magoado em determinada fase de nossa vida. Este é um exercício quase que diário, pois a todo o momento nós somos confrontados por pessoas, sentimentos e ideias diferentes e, que muitas vezes, nos fazem ter reações descomedidas. O mesmo acontece com o outro em relação a nós, pois nem sempre somos compreendidos e, por vezes, também ferimos as pessoas com nosso jeito de ser, pensar e agir.

Na prática, isso se chama existir. Estamos vivendo nossa experiência humana, vivendo e aprendendo, errando e aprendendo, caindo e levantando. Somos postos a prova a todo instante e, quanto mais nos propormos a jogar o jogo, mais estamos expostos a errar. Por isso, além de aprender a perdoar o outro, o que eu sei, pode ser um tanto quanto desafiador, mas extremamente recompensador no sentido emocional, humano e relacional, também é essencial aprender a perdoar a si mesmo, ou seja, a exercitar o autoperdão.

Não seja tão implacável com seus erros, pois o mundo já tem juízes demais. Não estou dizendo para ser condescendente e agir como se nada tivesse acontecido, mas sim para ser compassivo e buscar sempre uma intenção positiva em cada um de seus atos. Lembre-se de que por mais controverso que possa parecer e, que isso acabe incorrendo num erro, nós fazemos apenas aquilo que achamos ser o melhor para nós e para aqueles que amamos.

E claro, nem todos os resultados são previsíveis ou bons. Se algo não deu certo, reflita a respeito, pense no que poderia ter feito de diferente e procure desculpar-se verdadeiramente com aqueles com quem errou. Aprenda também a pedir desculpas a si mesmo, exercite o autoperdão e trabalhe sempre para eliminar o sentimento de culpa, pois ele pode se tornar um grande sabotador emocional quando não sabemos lidar com ele.

Mas o que é se perdoar? Os erros fazem parte do nosso processo de crescimento e amadurecimento pessoal e profissional também e tomar consciência disso é essencial para não nos tornamos pessoas amarguradas e ressentidas tanto com os outros como com a gente mesmo.  Lembre-se que o curso do rio da vida é para frente. Portanto, para se libertar do sentimento de culpa é preciso se desapegar dos sentimentos negativos associados às suas falhas. Saiba que se punir não vai fazer com que você se sinta melhor. Na verdade, você só vai substituir um sofrimento por outro.

E sabe por quê? Porque remoer os erros não ajuda em nada em seu processo evolutivo, pois ficar martelando suposições do tipo – “e se eu não tivesse feito isso; e se não tivesse dito tal coisa; e se eu tivesse aceitado ou recusado a proposta…” não ajuda em nada. O que tá feito não pode ser mudado, entretanto, você pode sim aprender como agir de modo diferente na próxima vez, como lidar melhor com determinadas pessoas e situações e como tomar decisões mais assertivas no futuro.

O processo de ressignificação nos convida a seguir na direção do autoconhecimento, do aprendizado e do amadurecimento comportamental e emocional e, até mesmo do desenvolvimento técnico, pois quando erramos e conseguimos identificar os pontos onde falhamos, temos mais chances de aprender lições valiosas, de não cometer os mesmo deslizes no futuro e de crescer com nossas experiências de vida.

Por fim, se você deseja se libertar do sentimento de culpa, comece por exercitar o autoperdão, o autoaprendizado e lembre-se sempre de se lembrar de nunca se esquecer de se lembrar de que errar é humano, faz parte do caminho e que a beleza de existir está em aprender com os próprios erros e buscar sempre novos caminhos para evoluir. Permita-se!

Copyright: 524086885 Oatawa – https://www.shutterstock.com/pt/g/oatawa